Contágio Financeiro Global: O Impacto Crescente das Dívidas Imobiliárias

Bancos enfrentam onda de inadimplências no setor imobiliário enquanto o trabalho remoto persiste e as taxas de juros sobem.

Quase um ano se passou desde uma série de eventos que estremeceram o setor bancário, incluindo o colapso de três instituições financeiras regionais nos Estados Unidos e a intervenção emergencial no Credit Suisse, na Europa. Hoje, uma nova preocupação assombra instituições financeiras de grandes centros como Nova Iorque, Tóquio e Zurique: a escalada de perdas em empréstimos ao volátil setor imobiliário comercial.

Na última quarta-feira, uma queda abrupta de 38% nas ações do New York Community Bancorp foi registrada após o banco reportar um prejuízo significativo de 252 milhões de dólares no último trimestre. O salto notável em provisões para perdas em empréstimos, saltando de 62 milhões para 552 milhões de dólares no período, foi em grande parte impulsionado pelas expectativas negativas em relação a um empréstimo destinado à aquisição de um edifício de escritórios. O fenômeno não apenas afetou o NYCB, mas também provocou uma queda de 6% no Índice Bancário Regional KBW, marcando a maior desvalorização diária desde o mês de maio – período que também testemunhou o colapso da First Republic Bank.

A espiral descendente continuou no dia seguinte, com o índice sofrendo uma nova queda, dessa vez de 4,8%. Ações de outras instituições, como o Banc of California e o BankUnited, também registraram perdas expressivas.

O NYCB apontou que uma proporção considerável de suas perdas estava atrelada ao setor de escritórios, um reflexo direto das mudanças de paradigma trazidas pelo trabalho remoto e pelo aumento das taxas de juros, tornando o financiamento de novos projetos imobiliários uma jornada árdua para promotores do setor. Thomas Cangemi, CEO do banco, destacou a fragilidade que perpassa o mercado de escritórios na atual conjuntura.

No cenário internacional, a situação não é menos preocupante. O Aozora Bank do Japão projetou perdas anuais significativas devido a empréstimos inadimplentes relacionados a escritórios nos EUA, levando a uma queda de mais de 21% em suas ações. Na Europa, o banco privado Julius Baer enfrentou uma queda de 55% em seu lucro ajustado, atribuída a perdas em empréstimos concedidos a um único conglomerado europeu, identificado por fontes da Reuters como o Signa Group.

Grandes instituições também estão se preparando para enfrentar as turbulências. O Deutsche Bank, por exemplo, aumentou significativamente as provisões para possíveis perdas em seu portfólio de empréstimos imobiliários comerciais nos EUA.

Enquanto o setor bancário se debruça sobre as incertezas do mercado, especialistas como Philip Lawlor, da Wilshire Indexes, recomendam prudência. A experiência recente demonstrou como pequenas turbulências podem escalar para crises maiores. Embora os principais índices bancários tenham se recuperado desde os mínimos do ano passado, a volatilidade atual serve como um lembrete de que a estabilidade do setor ainda está à mercê de fragilidades sistêmicas.

Fonte: Reportagem adaptada com informações de Matt Egan, da CNN Internacional.

Everton Yahu

Escreve para o ZSShares diariamente, trazendo notícias sobre política, economia, tecnologia e finanças.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

error: O conteúdo está protegido.