Violência no futebol: times e jogadores fazem campanha e pedem segurança

Não é de hoje que o Brasil sofre com casos de violência no futebol, porém nos últimos dias esses fatos tem se tornado mais presentes. Agora, além da briga entre torcidas, os infratores têm criado emboscadas para os atletas e equipe.

Estes ataques aumentam a insegurança dos jogadores e colocam em risco a integridade física das equipes. A dificuldade de condenação e as leis fracas aumentam a sensação de impunidade e estimulam esses atos.

É por isso que os clubes têm se mobilizado para mudar o padrão fortalecendo a segurança dos profissionais e também protestando contra os casos de violência no futebol.

Violência no futebol da Bahia

No dia 24 de fevereiro o ônibus do Bahia foi atacado quando chegava para participar de uma partida da Copa do Nordeste. Uma bomba foi arremessada dentro do veículo em movimento, diversos jogadores foram atingidos pelos estilhaços do artefato e precisaram de atendimento médico.

Ainda assim o time realizou a partida, mas com protestos contra o ataque desnecessário aos atletas. Este foi apenas um dos três principais casos de violência que aconteceram em fevereiro.

Violência no futebol de Recife

No mesmo dia da violência contra o time do Bahia, o Náutico sofreu ameaças de torcidas organizadas enquanto se dirigia para uma partida. Além das ameaças, no dia seguinte a equipe mostrou fotos das janelas da van que transportava os atletas com os vidros quebrados.

Neste caso, ninguém da equipe se feriu, porém o sentimento de insegurança permanece e deixa todos com medos.

Violência no futebol de Porto Alegre

Apenas dois dias depois um novo ataque foi registrado, agora em Porto Alegre quando a equipe do Grêmio chegava para uma partida contra o Internacional. Torcedores do time rival arremessaram pedras contra os jogadores e uma dessas pedras atingiu a cabeça de um dos atletas.

O paraguaio Villasanti sofreu traumatismo craniano, passou por exames, ficou em observação, mas já foi liberado. Neste caso o Grêmio se recusou a realizar a partida e ainda tenta que o Internacional seja responsabilizado pelos ataques.

Jogadores que se posicionaram contra a violência no futebol

Alguns jogadores se pronunciaram contra a situação atual de violência no futebol. Como foi o caso do jogador Diego Ribas que se pronunciou pelo Instagram dizendo: “Futebol e respeito precisam caminhar juntos.

Se não nos conscientizarmos disso e se as devidas providências forem tomadas de forma imediata e contundente, nós presenciamos consequências cada vez mais assustadoras! Basta!”

O técnico Geninho também se pronunciou sobre os casos acontecidos nos últimos dias:

“A coisa está saindo do controle. É um reflexo da violência que nós estamos tendo na nossa sociedade e não vejo ninguém ser punido.

 Você tem condição de identificar os principais indivíduos que participaram de um ato e eles têm que ser punidos. Estão fazendo com que haja risco de morte”

Um movimento contra a violência foi criado online e diversos jogadores se posicionaram contra os ataques. Não apenas os casos mais recentes, também contra tantas outras situações.

Qual a melhor solução para a violência no futebol

Diversas medidas já foram adotadas com o intuito de punir e desestimular os ataques contra outros torcedores e contra jogadores. Porém nada tem se mostrado efetivo a ponto de inibir as ações criminosas.

Casos de limitação de torcida, jogos com torcida única ou com portões fechados são efetivos apenas pontualmente. Por isso, é preciso pensar em novas estratégias para conseguir reduzir os riscos aos quais os profissionais estão sendo expostos.

A identificação e punição dos participantes dos ataques parece hoje a melhor alternativa para conseguir mudar o cenário. Essa punição precisa ser mais rígida, com proibição de entrada em estádios e, em casos mais graves, até mesmo prisão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

error: O conteúdo está protegido.